Shadow Coaching

Jair Moggi
Consultor, Professor e Coach

Shadow Coaching é uma modalidade de coaching que está começando a chegar ao país. Tivemos algumas experiências bem interessantes com ela.

Na prática, como ela funciona:

O coach acompanha in loco o coachee no seu ambiente do dia a dia em situações como:

  • Apresentações de projetos;
  • Reuniões de tomada de decisão com a equipe;
  • Reuniões com seus pares;
  • Encontro de avaliação de desempenho com funcionários;
  • Participação em workshops e oficinas, convenções;
  • Em um dia ou conjunto de dias típicos de trabalho.

O coach acompanha, como observador, a “performance” do coachee nestes cenários reais e pode lhe dar feedback imediato ou promover sessões de reflexões e aprendizagem com os eventos ainda quentes ou mesmo posteriormente.

As vantagens desta abordagem são inúmeras.

Permite você trabalhar com o que de fato acontece e não com aquilo que o coachee diz que acontece. Você sai de uma dimensão de interpretação dos fatos para uma dimensão em que você tem que lidar com o fato em si.

Os bloqueios do coachee aparecem de maneira clara quando ele é confrontado com as observações de um coach isento ao evento em si.

Permite você trabalhar com reações, atividades que muitas vezes têm um impacto significativo no resultado e que não tem como serem identificados numa sessão tradicional. O tom irônico, a palavra desqualificadora, a postura corporal agressiva ou defensiva, etc.

As dificuldades com o processo são óbvias também. Lembrando do princípio da incerteza de Heisenberg. O observador afeta o fenômeno pelo simples fato de estar ali. A própria presença do coach no cenário altera o comportamento do coachee e da sua equipe se, por exemplo, ele está observando uma reunião.

Na prática, a impressão que se tem do ponto de vista do coach é que, na maioria das vezes, depois de algum tempo, as pessoas “esquecem” que o coach está ali e se comportam de maneira muito próxima ao natural.

Outra dificuldade é como você introduz a prática na cultura da organização. Tenho clientes que trabalham com processos de coaching há muito tempo e a prática já está integrada na empresa. “Aliás, pega até mal você não ter o seu coach”. As pessoas têm orgulho de dizer que estão fazendo coaching.

Introduzir a prática do Shadow Coaching, nestes casos, é tranquila. O executivo aponta o coaching para a equipe, se necessário explica o papel e o nosso coach pode passar o dia ou eventos específicos à “sombra” do executivo, sem maiores consequências.

Em empresas em que a prática de coaching é associada a mal desempenho ou existem problemas sérios na gestão, o executivo não se sente confortável.

O melhor cenário para se promover a prática é quando o presidente a introduz com ele e sinaliza para a organização que quer cuidar do seu autodesenvolvimento e que a prática que está ativa é a esperada dos seus executivos.

O shadow coaching exige do coach uma grande capacidade de observação de detalhes e de compreensão do coachee dentro do seu contexto e cultura. Para observar e descrever o que se observa também existem técnicas e modelos específicos. O coach precisa manter uma relação de isenção profunda para não contaminar a observação com seus valores, crenças, antipatias e simpatias.

O shadow coaching pode ser um excelente complemento ao processo de coaching tradicional. Ele permite ao coach fazer perguntas de confronto bem interessante. Por exemplo:

Nesta reunião com sua equipe, você falou 90% do tempo e sua equipe 10%. O que isso lhe diz?

  • Você interrompeu o cliente oito vezes em 15 minutos. Isto tem alguma consequência?
  • Você falou com seu funcionário sem tirar os olhos do computador. Como você acha que ele se sentiu?
  • Doze pessoas entraram na sua sala esta manhã e interromperam seu trabalho. Como isto afeta a sua produtividade?

A reflexão permite o aprendizado imediato e, logo na sequência, na reunião seguinte ou dia seguinte, o coachee pode implementar mudanças e novamente corrigir/ajustar seu comportamento com ajuda do coach.

A perspectiva é que à medida que a prática de coaching como um todo vá se disseminando, o shadow coaching vai vencendo a principal barreira, que é a crença de muitos executivos que não podem mostrar fraquezas ou que estão aprendendo.

Imagino que o shadow coaching deve se tornar bastante comum em alguns anos, nas empresas que querem que suas lideranças aprofundem seus processos de aprendizagem e desenvolvimento de lideranças.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *