No início desta grande crise trazida pelo Covid-19, as empresas correram para tomar as ações imediatas que garantissem sua sobrevivência com as informações que tinham à época. Os Comitês de Crise foram instalados e ainda estão em funcionamento para monitorar e agir na solução dos problemas e desafios diários. As ações mais críticas de contingência e continuidade foram tomadas.

Contudo, emerge a necessidade de se pensar na retomada. Perguntas sobre “o que” e “como” fazer – conforme o isolamento começa a não ser mais unanimidade e começamos a navegar em um “novo normal” – precisam ser respondidas.

Nesse contexto, os Comitês de Oportunidades são criados para agregar e capturar valor para negócio no curto e médio prazo, com a construção colaborativa de respostas para diversas questões:

  • Como descolar da realidade atual para projetar um horizonte de curto/médio prazos que capture e agregue valor?
  • Como construir uma visão de futuro pragmática e que alimente a equipe de esperança?
  • Quais valores novos estão emergindo?
  • Quais mudanças vieram para ficar?
  • Quais são os impactos nos clientes, concorrência e canais de venda?
  • Quais as mudanças que precisamos fazer imediatamente em nossos processos para estarmos mais próximos de nossos clientes?
  • Que novas opções estratégicas podemos testar em nosso modelo de negócios que podem ser a “salvação da lavoura” no “novo normal”?
  • Quais oportunidades práticas temos para curto e médio prazos?

Esta época de crise nos traz a possibilidade de apreendermos informações novas sobre a realidade mutante do mercado como em nenhum outro momento, e, complementarmente a isso, precisamos estar atentos e construir a prontidão necessária para viabilizar o uso destas informações.

Os Comitês de Oportunidade funcionam como uma plataforma agregadora das informações capturadas pela organização, que são a base para o desenvolvimento dos insights de geração e captura de valor. As ações decorrentes são rapidamente experimentadas, e o feedback é de alta frequência para garantir ajuste, escalabilidade e aprendizado contínuo.

A maioria dos planejamentos estratégicos feitos no fim do ano passado sucatearam. O Comitê de Oportunidades se sobrepõe as ordenações anteriores de projetos e investimentos para trazer a agilidade de resposta que o contexto exige. O horizonte de trabalho é, portanto, de curto e médio prazo, normalmente junho a dezembro/20, podendo chegar até dezembro/21.

O Comitê de Oportunidades, além de trazer possibilidades de negócio, e inovações em processos, injeta na equipe uma energia renovadora. Uma imagem compartilhada de um futuro viável gera o combustível para a travessia da crise, a esperança precisa ser cultivada e tem papel fundamental na superação das dificuldades cotidianas.

O fluxo de trabalho é simples e rápido, porém contém a profundidade necessária para o momento atual. Com 3 ou 4 encontros virtuais tem sido possível alcançar os resultados. Para ilustrar, descrevemos abaixo um resumo do fluxo:

Os resultados práticos destas iniciativas são:

  • A Agenda Positiva de Oportunidades práticas para o curto/médio prazo.
  • O engajamento/energização das equipes.
  • Processo de aprendizado coletivo.

Caso tenha alguma dúvida ou queira compartilhar suas iniciativas, entre em contato conosco!

Rodrigo Goecks e Marcos Thiele
rodrigogoecks@adigodesenvolvimento.com.br
marcosthile@adigodesenvolvimento.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *